quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Indubitavelmente



A: Querida, para onde vamos hoje a noite?  As cidades estão espalhadas de venenos mortais, gases de perdição, palavras sem coração. Cheias de verdades e mentiras. As pessoas vestem máscaras e não podemos enxergar além da face. E que faces verdadeiras essas meias-verdades poderiam nos dizer? Será que na verdade eu não visto uma máscara todos os dias quando te vejo e a derrubo, a vaporizo, quando nos separamos pela manhã? Onde está o que é certo e errado nas cidades? Onde as assombrações e as mentiras não podem ser vistas? Onde só me resta a liberdade de saber que nem tudo é realmente uma grande farsa? Não é apenas uma peça ou um jogo? Vamos tirar as máscaras, querida. Veja meu ser. Veja pelo reflexo e entenda o que eu desejo e sonho. Vamos fugir. Dane-se a cidade. Vamos lá. Tire sua máscara, o que me diz? 
B: Eu não me apaixonei pela sua máscara, seu imbecil. Eu consigo ver além dela. E eu já não uso a minha faz tempo.
A: E eu também. Mas não a use mais. A quebre. Jogue no rio. Deixe nos trilhos do trem ou jogue aos ventos do norte. Tire-a de sua vida.
B: Mas, por que eu deveria? Minha máscara é minha proteção. E eu quero me sentir segura. Mesmo não a usando.
A: Não precisa usá-la. Nesse baile de máscaras fúteis, apenas uma se mostrou verdadeira. Uma máscara que protege e não mente. Quando vi aquela mulher eu sabia que eu iria sonhar com ela todas as noites e dias até o fim da minha vida. E talvez o fim esteja longe, mas agora, estamos tão perto. O que eu quero de verdade é jogar fora sua máscara, querida. Quero te levar para fora das mentiras, das omissões. Não precisa mais de máscaras. 
B: Não? 
A: Não. Já vivemos sem elas. Por que precisaria?
B: Eu... Não sei.
A: Fiquei assim também, mas a joguei na lareira e a vi arder em brasas. Não preciso de mais proteções. E nem você. Eu te amo. E ninguém tem a noção do quanto esse sentimento é imensurável. Vamos, jogue-a fora. 
B: Como pode ter tanta certeza?
A: Porque eu nunca senti isso antes. Éramos meias-verdades. E nos completamos. Você não se sente bem com tudo isso? Com nós?
B: Lógico que sim, seu tonto. Eu te amo também. E eu a nunca tinha tirado para ninguém antes.
A: Meias-verdades unidas. Nós formamos uma verdade, um sentimento único e real. Vamos. Jogue fora. Seja minha para sempre. Se case comigo. Tenha filhos comigo. Não preciso de mais ninguém se eu te tenho ao meu lado.
B: Para sempre?
A: Para sempre e para toda a eternidade. Você é a minha verdade absoluta e sem dúvidas.

Um comentário:

  1. Quando alguém consegue amar a pessoa por detrás da máscara, as máscaras já não fazem sentido.Usamo-as por medo de que quem somos não seja aquilo que o outro procura...

    ResponderExcluir